Como Criar Personagens Cativantes?

Criar Personagens

Os pilares de uma boa história, são os personagens! Não importa se ela se passa em um livro, em séries de TV, novelas, filmes, programas de podcast ou na vida real. Uma história sem personagens é quase impossível e extremamente chata! Daí vem a importância de criar personagens bons, memoráveis e cativantes.

A gente separou dicas preciosas e técnicas simples que podem te ajudar a construir os melhores seres fictícios do universo. Vamos nessa?!

Alinhe os seus personagens (etapa de criação)

Vamos começar do começo. Você pensou na história, tem a trama toda desenhada, então é hora de começar a desenvolver essas ideias com seus personagens, para isso, é preciso criá-los e alinhá-los!

Separamos um alinhamento como modelo, muito usado no RPG, que vai te ajudar a dar definição às características que cada personagem tem:

fonte: eartland.com.br

Você pode mesclar tons para construir o seu personagem segundo as necessidades do seu texto, por exemplo: 

Um personagem pode ser bom e neutro – daqueles que não se envolvem em confusão e não tomam partido; pode ser leal e bom – daqueles que colocam a bondade como base de vida e acabam passando por maus bocados, como o Ned Stark das Crônicas de Gelo e Fogo (George. R. R. Martin); leal e maligno – daqueles que colocam a lealdade para o lado sombrio, ou para o lado errado, como Darth Vader de Star Wars (Lucasfilm produções). 

Essa definição é muito importante porque é essencial que o escritor conheça seus personagens como ninguém. Ajuda a ter controle sobre o texto e sobre a atuação de cada um na história. 

Lembre-se também de aproveitar essa fase para definir a quantidade de personagens que a sua história terá. Só cuidado para não encher o texto e não conseguir dar conta, hein? Assim como também é bom cuidar de não escolher a história de poucos e ter muito mais coisas do que núcleo para que as ações aconteçam. 

Descreva a origem do personagem 

Quando você define como o personagem vai ser e qual parte da história terá sua aparição, fica mais fácil para definir a origem desse personagem. O lugar no qual ele passou a existir, como é no momento que as coisas acontecem ou onde nasceu mesmo. 

Onde ele nasceu? Por quê? Era uma casa, um apartamento, uma cidade, cidadela, interior, metrópole, mundo criado, civilização extinta? Por quê? 

Essa definição vai te ajudar a deixar a presença desse personagem ainda mais forte. 

Escolha um bom nome!

A escolha de um nome é muito importante para uma narrativa. A gente sabe que nem sempre isso parece ser verdadeiro, mas é. E acredite: faz diferença!

Um nome bom desperta sentimentos no leitor. Vira uma extensão da personalidade criada para ele. Quando olhamos para Harry Potter (J. K. Rowling), vemos isso em todos os seus personagens. Isso geralmente acontece porque o nome dá um peso diferente ao personagem.

Por isso é bom escolher nomes que façam sentido na história criada, em sua ambientação e no gênero literário ao qual pertence.

Descreva seus personagens

A caracterização é muito importante. Por meio dela os leitores conseguem se identificar com os personagens, pensar em pessoas que se assemelham e isso humaniza o que é fictício.

Por exemplo: um nariz pontiagudo pode indicar tanto sabedoria, como vilania, um queixo levantado, pode indicar orgulho ou antipatia.
Aqui nesse ponto é legal também inserir características incomuns. Pode ser uma marca, uma mancha, um objeto, mas algo que diferencie esse personagem e deixe seu papel ainda mais marcante. Essas características enriquecem a construção narrativa como nada mais!

Dê um objetivo para cada personagem e defina o propósito de todos

O que move seu personagem à ação? Por quê? Qual a missão dele na trama? Para onde vai, de onde vem e por quê? Que caminho vai seguir? Até que ponto ele participará? Onde se encerrará a sua jornada? 

Lembre-se que, assim como na vida, o objetivo de um personagem deve ser simples. 

Em um romance de época, o objetivo pode ser arrumar um casamento, quebrar padrões, conseguir liberdade, superar questões morais. 

Em uma fantasia, pode ser uma busca por um objetivo vital, a descoberta do heroísmo, vencer uma guerra, trabalhar a política e aspectos culturais. 

Seja qual for o caminho e gênero narrativo que escolha, faça-o bom naquilo que faz. Imagine se Gandalf (J. R. R. Tolkien) fosse um péssimo mago, a Terra-Média estaria perdida! Você não precisa criar estereótipos, mas pode trabalhar suas ideias de maneira extraordinária.

Não tenha medo de trabalhar as falhas, medos e fraquezas

Quando definimos a busca e o objetivo, não podemos nos esquecer das falhas, dos riscos e dos medos que chegar ao final pode trazer. 

Um personagem com falhas se torna muito mais cativante. Um personagem que erra é mais humano do que um personagem acima do bem e do mal.

Escrever um livro já não é muito fácil, por isso, criar os personagens com aspectos que vão deixá-los mais reais e possíveis, torna a história mais forte. 

Todo mundo tem um defeito, tem medos e fraquezas que podem influenciar no curso da vida, os personagens também devem ter essas características. Você pode, por exemplo, justificar falhar com traumas, com flashbacks, com falhas passadas… 

Aqui também é preciso lembrar que os cenários e a ambientação influenciam nas características dos personagens. A calma que você tem tomando uma xícara de chá, não faz sentido em um jogo de futebol com o estádio lotado. A tensão que você tem ao comparecer a um enterro, não faz sentido algum em um batizado ou em um casamento.

Seja, acima de tudo, criativo!

Pode ser um ser mitológico, um animal, um alien, um monstro, um fantasma, uma construção, um objeto, qualquer coisa. Seja o que for, deixa a sua imaginação trabalhar sem freio nessa criação! 

Não fique se comparando com as histórias que já existem, elas já foram escritas por outras pessoas, não por você. Foque-se em ser você mesmo e deixe sua criatividade sair para a liberdade! 

Tenha consciência que escrever os personagens é ponto essencial para fazer a sua história dar certo, então não tenha pressa e não fique se podando com base no que já foi criado. 

Sim, é importante ter certo conhecimento sobre a estrutura do texto e a criação de personagens, e não há nada de errado em se inspirar, mas lembre-se que o leitor espera para ver algo novo. Algo criado por você, com a sua personalidade de escritor aparecendo. 

Agora que você já sabe como criar personagens cativantes, comece a trabalhar! Assim que estiver com tudo pronto, estaremos por aqui para te ajudar a publicar sem medo! 

Publicar um livro não é mais algo impossível, pelo contrário, aqui na UICLAP é simples e fácil! Vem com a gente realizar esse sonho! 🙂 

Como Criar Personagens Cativantes?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para o topo