Meu nome é Dominique – José Farias

Meu nome é Dominique

José Farias conta, em seu livro autobiográfico, situações difíceis pelas quais passou, desde os seis anos de idade até a adolescência.

Homofobia, espancamento, execução de homossexuais, era (e ainda é) um fato verdadeiro. Durante a ditadura militar, período que transcorrem as narrativas de memórias de Farias, os preconceitos se espalhavam no país inteiro. A figura do homofóbico estava presente em todos os lugares e fazia o serviço sujo para manter a imagem intocável da família tradicional brasileira. Eram sujeitos pobres, de escolaridade baixa, alguns em condições de subemprego, outros vítimas da repressão familiar e da ignorância, que davam continuidade a essa violência estrutural.

Os vizinhos preconceituosos, os assediadores de jovens, os espancadores de gays da periferia da metrópole da Amazônia existiram de verdade e sufocaram o pensamento do autor por décadas. E, assim, conhecemos as histórias de infância: mãe, pai, avó, irmãs, irmão, tias, tios, que foram recebendo outros nomes. Ficamos sabendo como foram seus dias na escola: as professoras acolhedoras (e as não afetuosas), os colegas de turma, as brincadeiras de ruas, as festas juninas. Cabe destacar, que aqui estamos falando de Zema (narrador-personagem), que é distinto do autor José Farias.

E com os retalhos de suas lembranças, as cenas detalhadamente são narradas: o primeiro emprego na feira livre da cidade, a ida para a capital federal em busca de dias melhores. A primeira namorada, os colegas do grêmio estudantil, as declarações clandestinas de amor. A dose de imaginação poética permeia suas narrativas e o autor presenteia o leitor com poemas intercalados na prosa de suas memórias. O leitor perceberá o preconceito sexual atingindo de forma individual a criança, o adolescente, o jovem sem poder algum para se defenderem da violência macro da dominação social. Várias crianças experimentaram a frieza no olhar, a censura ao comportamento, o short rasgado à força, a exclusão na sala de aula, o cabelo cortado à revelia. Mas – e aqui pego carona com autor, que faz uso recorrente dessa conjunção adversativa, como forma talvez de transmitir toda a força e coragem que ele bravamente lutava contra o campo adversário: o do preconceito – Zema sobreviveu para contar a sua história.

“Meu nome é Dominique” põe o dedo na ferida da discriminação, preconceito e da grande falta de respeito das pessoas heterossexuais da década de 1960 e 1970. Uma leitura atual e necessária.”

Trecho do prefácio de Marinilce Oliveira Coelho

Autor(a): José Farias

Saiba mais sobre o(a) autor(a): uiclap.bio/selocipera

Meu nome é Dominique

José Farias conta, em seu livro autobiográfico, situações difíceis pelas quais passou, desde os seis anos de idade até a adolescência.

Meu nome é Dominique – José Farias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para o topo