Conheça o Logline

logline

Já tentou explicar um filme, uma série ou uma ideia de história para alguém? Sabe que, se você enrolar demais na explicação, ao invés de suscitar o interesse, vai deixar a pessoa entediada. 

Foi pensando exatamente neste desafio de conseguir resumir ao máximo uma história, que surgiu o Logline. 

Ainda pensando na ideia de quando vamos contar sobre um filme, série, história, sabemos que não nos apegamos aos detalhes como ambiente, nomes, estruturas, descrições, entre outras coisas. A Logline é usada para a construção de roteiros, por ser um breve resumo, com uma ou duas frases, que contém a essência da história. 

Log Line, que em tradução literal significa: Linhas de Registro, eram longas cordas, presas em carretéis que os marinheiros usavam em um carretel para medir a velocidade de um navio. A corda era cheia de nós, eles mediam o tempo através desses nós e de um relógio, assim conseguiam precisar a velocidade dos navios.

Era necessário extrema precisão nas log lines marítimas, assim como é de extrema importância a precisão para que se construa o resumo inicial de uma história. 

Justamente por conseguir resumir com precisão a necessidade da trama, em poucas palavras, a logline é usada na criação de roteiro, mas adaptada à criação de histórias. Pode ser o recurso narrativo certeiro para te ajudar a não esquecer o seu objetivo com o texto, não expandir demais universos secundários sem fundamento e saber exatamente onde se concentrar na construção de um personagem. 

Ideia central

Resuma em algumas linhas a ideia central do que pretende contar com a sua história. Qual o seu objetivo e onde pretende terminar. Não é preciso aprofundar este texto. Mas ter em mente que ele guiará a construção que virá. 

Construção de personagens

Para a construção dos personagens principais, uma logline deve ter: A descrição psicológica dos personagens, a situação que enfrentarão e quais os riscos que irão correr. Nela, você deve se concentrar em contar quem é o protagonista, qual o seu objetivo, quem é o antagonista e qual será a sua força antagônica. 

Nesse resumo de ideia, não é preciso desenvolver nome dos personagens, não se prende em descrevê-los, não trabalhe ou aprofunde características. Lembre-se que não é preciso trabalhar os personagens neste primeiro momento, mas conseguir definir quem serão no todo em poucas palavras. 

  • Feita a criação da frase para descrever quem serão os principais, use um adjetivo que descreva aquele personagem para você. Cuidado com o uso de clichês, procure escolher um adjetivo que aumente o seu potencial na criação e te permita trabalhar esse personagem bem. 
  • Apresente então o objetivo do protagonista. Aqui é preciso pensar com calma, afinal, definir o objetivo de um protagonista impacta na trama principal, cuidado para, mesmo em poucas palavras não se contradizer e criar um objetivo que não está definido e pode comprometer o seu texto depois. 
  • Descreva qual será a força antagônica. Deixe evidente o motivo do embate entre o bem e o mal, o mal e o mal ou o bem e o bem, você escolhe, o importante é deixar claro que este personagem usa essa força como causa, está lutando por algo em que acredita, mesmo que ela não faça o menor sentido. 

Riscos narrativos

Criadas as frases anteriores, hora de usar um recurso narrativo essencial e permitirá trabalhar a parte emocional da história: os riscos. 

Quais serão os riscos que o personagem principal sofrerá? Por que os personagens passarão por eles? O que cada um deles tem a perder com isso? Qual o impacto no todo? 

Lembre-se que a ideia é não desenvolver demais, mas ser capaz de resumir em frases o que deseja criar. 

Ambientação

Hora de dar um contexto geral ao ambiente no qual se passa a história. Principalmente na criação de ficção científica as ambientações dão um norte ao criador e ajudam a não se perder na hora de estruturar um novo universo. 

Aqui você irá determinar se a história se passa em um período histórico, onde serão seus principais eventos sociais, como é a comunidade em que estão, qual o ponto geográfico escolhido. Se os traços psicológicos dos seus personagens impactam o ambiente. 

Determine tudo em frases curtas. Entretanto, tenha em consideração que é a partir desta criação primária que a sua história vai se desenvolver, crie com atenção e carinho. 

Feito os passos anteriores, pense em qual o impacto do final da trama, o que você espera dele para a história. E aqui está. 

Você tem um pequeno roteiro para seguir e aprofundar! 

Pense em cada parte como um nó da corda marítima. É importante ser objetivo e saber o que espera da sua criação. Assim você desenvolverá e detalhará o todo de maneira precisa, evitando incoerências, lacunas ou mesmo mudanças no ritmo. 

Logline é parecido com o processo de criar uma Storyline, com a diferença que daqui você pode realmente partir para um roteiro televisivo ou cinematográfico. 

O método ajuda a determinar um começo, meio e fim, além das principais características dos personagens, o que ajuda na criação e evita bloqueios criativos indesejados. Ajuda o escritor a não perder o foco. A conseguir concretizar sua trama e escrever um livro. 

Com o tão sonhado livro pronto, parta para a autopublicação. Sem medo ou restrições de publicação.

Conte com a UICLAP para realizar o seu sonho de publicar um livro, de maneira prática. 

A UICLAP é uma plataforma que democratiza a publicação, venda, produção e distribuição de livros impressos e conecta o autor diretamente ao mercado.


Conheça o Logline

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para o topo